Oriente-se: o que a China tem a nos ensinar sobre inovação

Time CI&T

mulher chinesa utilizando sistema inovador de pagamentos na China
Posted on Sep 11, 2019

O que você vai ler aqui:

  • Por que a China é uma máquina de gerar inovação

  • As tendências que podem ser aplicadas no contexto brasileiro

  • Como se preparar para as novidades que estão por vir


 

Números avassaladores de companhias que são verdadeiras gigantes da tecnologia, surpreendentes modelos de negócios, ofertas e experiências; um ecossistema totalmente voltado para inovação e uma sociedade transformada pelo digital. Isso é um pouco do que algumas de nossas liderança presenciaram nas 400 horas de imersão na China, visitando as principais empresas em 4 cidades - Beijing, Hangzhou, Shenzhen e Hong Kong -, além de hubs de startups e a Innoway, a avenida das aceleradoras no coração do bairro tech de Beijing, onde estão 878 incubadoras e 2481 startups.

Entre os pontos mais marcantes da experiência no país, estão a onipresença dos meios de pagamentos digitais, que tornou ultrapassados os cartões de crédito e dinheiro, o uso da Inteligência Artificial (IA) nos poderosos sistemas de reconhecimento facial e para turbinar o poder das empresas de encantar o consumidor; além, é claro, dos complexos ecossistemas criados pelas plataformas das três maiores empresas de tecnologia do país, conhecidas como BAT - Baidu, Alibaba e Tencent. Outro ponto relevante é o rápido crescimento da automação industrial e o desenvolvimento da robótica para uso doméstico. 

 

 

Destaques e tendências


Na China, o serviço de pagamentos digitais é utilizado por mais de 80% dos 817 milhões de pessoas que possuem celulares. Os maiores provedores são WeChat Pay e Alipay, respectivamente da Tencent e do Alibaba, que detêm quase domínio integral desse mercado. A Alibaba, inclusive oferece a experiência "pague com um sorriso", com tecnologia desenvolvida pela Megvii, no qual é preciso apenas sorrir para a estação onde realizará a compra e, por um sistema de reconhecimento facial, o pagamento é liberado.  

 

Já que o assunto é IA na construção de experiências diferenciadas para o consumidor, os mecanismos de recomendação orientados por IA na China são capazes de construir personalização de ofertas e jornadas completas com incrível precisão e escala. Tudo isso graças à imensurável quantidade de dados colhidos nos meios offline e online - disponibilizados por 829 milhões de internautas chineses - que são cruzados e analisados pela inteligência de dados instalada nas companhias com impressionante eficácia real time. 

 

Outra das claras tendências de mercado são os ecossistemas de negócio que conectam companhias e consumidores e criam um campo fértil para a articulação de empresas e inovação em produtos e serviços. Essa é, inclusive, uma forte aposta das BAT (Baidu, Alibaba, Tencent), que oferecem plataformas completas que integram pagamento, logística, marketplace e dados com muita velocidade e eficiência. 

 

Além desses pontos, a robótica também merece atenção, não apenas pelo lançamento do plano "Made in China 2025", com o qual o governo pretende multiplicar por dez o número de robôs em operação no país, mas também pelo crescimento de robôs para uso doméstico. O destaque na área é a Ubtech, um unicórnio com valor de mercado de U$ 10 bilhões. Líder mundial em vendas de robôs não-humanóides, a empresa tem impulsionado este mercado com o propósito de “trazer um robô para todos os lares e integrar verdadeiramente robôs inteligentes no dia a dia de todos, criando um modo de vida mais inteligente”. 

 

 

Inovação em escala


Esses dados e números impressionantes fazem da China uma máquina de inovar em escala com potencial para causar disrupção em todos os mercados do mundo em poucos anos. 


Mas não são apenas as empresas que fazem tudo isso ser possível. Com metas ambiciosas e fortes incentivos, o governo chinês é quem dá o suporte para que o contexto seja totalmente favorável para o empreendedorismo e o desenvolvimento de novas tecnologias em escala e velocidade assustadoras. Para se ter uma ideia, o estado investe pesado em ciência, tecnologia e educação, e 40% do PIB é investido em infraestrutura anualmente. O foco claro do governo é que o país desbanque os Estados Unidos e assuma a liderança como maior polo de tecnologia do mundo. 

 

O objetivo é bastante possível, considerando que estamos falando do poderio não apenas da segunda maior economia do mundo - cujo PIB é de US $ 15 trilhões contra US$ 20,50 trilhões dos EUA -, mas também da que mais cresceu nos últimos 25 anos, com uma média anual de 9,49% de crescimento do PIB. Para se ter um comparativo, no ano passado, o PIB dos EUA cresceu 2,9% e, em 2017, 2,2%. 

 

Todo este contexto, impulsiona ainda mais as companhias chinesas que por si só mostram uma imensa capacidade de inovar de forma veloz e efetiva. Tanto assim que o país tem um grande número de empresas ganhando o status de de unicórnios todos os anos. Apenas no ano de 2018, 100 startups chinesas superaram o US$ 1 bi em valor de mercado. 

 

A China construiu um ecossistema totalmente preparado para absorver novos formatos de operação, permitindo que suas companhias sejam capazes de criar o novo com uma impressionante velocidade.

 

Como se preparar?


Inspire-se no panorama de mudanças que estão acontecendo e direcione os esforços de sua empresa na realização de uma transformação digital de ponta a ponta, que faça sua operação ser capaz de utilizar todas as novas possibilidades da tecnologia para experimentar, aprender e realizar com agilidade. Só assim estará pronta para encantar seu consumidor ao modelo chinês e gerar impactos de negócio de forma veloz

 

Para te ajudar no desafio, preparamos um material aprofundando o contexto do mercado chinês, as diretrizes de inovação, tendências, caminhos e principais capacidades que você precisa para instalar na sua empresa.

 

Acesse o nosso whitepaper.